1 de outubro de 2008

Jacarandás de saudade (José Craveirinha)

JACARANDÁS DE SAUDADE Tempo de seus passos vindo pelo tapete de roxas flores dos jacarandás enfileirados na rua. Hoje é o eterno ontem da silhueta de Maria caminhando no asfalto da memória em nebuloso pé ante pé do tempo... Todo o tempo colar de missangas ao pescoço sempre o tempo todo suruma minha suruma da saudade. Suruma daquela saudade das flores dos jacarandás nos passos de Maria. José Craveirinha