28 de abril de 2009

África do Sul: Quinze anos de democracia

ÁFRICA DO SUL : Quinze anos de democracia A África do Sul comemorou ontem o Dia da Liberdade, no 15º aniversário das suas primeiras eleições democráticas, que levaram Nelson Mandela à Presidência da República, e numa altura em que o país está prestes a mudar de Governo. Ontem, os sindicatos e o Partido Comunista Sul-Africano, aliados do Congresso Nacional Africano (ANC, no poder), pediram a Jacob Zuma, que será designado pelo Parlamento como novo presidente no próximo dia 9, para que aprofunde a política social e a defesa dos trabalhadores frente à crise económica. "Esta nação percorreu um caminho muito longo desde um passado de amargura e segregação para uma sociedade baseada na igualdade, na dignidade e no respeito dos direitos humanos", disse ontem, em Durban, o Presidente sul-africano, Kgalema Motlanthe, num acto público. Motlanthe, que contabilizará menos de oito meses na Presidência da República - assumida após a destituição do seu antecessor, Thabo Mbeki, pelo seu próprio partido, o ANC -, disse que "a ordem constitucional da África do Sul demonstrou ser não só resistente e durável, mas invencível". Destacou, também, que desde as primeiras eleições na África do Sul, a 27 de Abril de 1994, o país conseguiu inúmeras conquistas sociais e económicas, apesar do "omnipresente legado do apartheid, que afectou praticamente todas os aspectos da vida" do povo sul-africano. O ANC conquistou 264 dos 400 assentos parlamentares nas eleições gerais da quarta-feira. O novo Parlamento deverá ser empossado no dia 6 de Maio. Nesta data, o Parlamento reunir-se-á na sua primeira sessão para designar o novo presidente sul-africano, que será Jacob Zuma, como líder do partido vencedor. Maputo, Terça-Feira, 28 de Abril de 2009:: Notícias