15 de abril de 2009

Eleições sul-africanas: ANC acusa Mbeki de ter traído herança de Mandela

Eleições sul-africanas: ANC acusa Mbeki de ter traído herança de Mandela O ex-Presidente da África do Sul Thabo Mbeki foi ontem acusado pelo director de campanha do Congresso Nacional Africano (ANC) de “ter traído a herança de Nelson Mandela”. Numa carta aberta publicada em Joanesburgo, Fikile Mbalula lança críticas e acusações ao ex-chefe de Estado e presidente do ANC (e ainda militante do partido no poder) sem precedentes na história do ex-movimento de libertação a pouco mais de uma semana das eleições legislativas sul-africanas. Mbalula afirma que Nelson Mandela “entregou a Mbeki um ANC vibrante e unido”, que este último viria a “atirar para a beira do abismo num momento de intoxicação de poder do glorioso movimento”. “Mbeki deixou o aparelho do Estado completamente paralisado e a estrutura do Governo em absoluta desordem”, acusa o director de campanha eleitoral do ANC, aparentemente em resposta a um comunicado emitido a semana passada pelo ex-presidente, no qual se distanciava da alegada campanha que levou ao arquivamento do processo-crime contra o seu sucessor na chefia do partido, Jacob Zuma, pela Procuradoria. Durante a Presidência de Mbeki o ANC viria a fracturar-se em duas facções, uma das quais leal ao então “vice” Jacob Zuma, que enfrentava acusações de fraude e corrupção no âmbito do concurso para reequipar as forças armadas, e outra fiel a Mbeki. Thabo Mbeki viria a demitir Zuma do cargo de vice-presidente em Junho de 2005, após o ex-assessor financeiro de Zuma, Schabir Shaik, ter sido condenado a 15 anos de prisão por fraude e corrupção, um processo no qual Zuma era o alegado beneficiário de “luvas” pagas pela empresa francesa Thint em troca de contratos com o Estado. Na carta aberta ontem publicada pelo chefe de campanha do ANC, Mbeki é descrito como “um líder que dirigiu o partido e o país como uma cabala destinada a impor a todos em seu redor a sua forma de pensar e visão”. ZUMA PROCESSA Entretanto, o presidente ANC, Jacob Zuma, pretende processar o jornal britânico “The Guardian” por difamação, noticiou ontem o jornal “The Times” de Joanesburgo. Segundo o “The Times”, a advogada Lies Gottert, que tem a seu cargo a abertura de vários processos-crime por parte de Jacob Zuma, encontra-se em Londres a tratar dos requisitos legais para avançar com o processo-crime por difamação contra o “Guardian”. Zuma, que já processou vários jornais e jornalistas na África do Sul por artigos e cartoons publicados ao longo dos últimos anos – particularmente por alturas do seu julgamento por alegada violação de uma amiga de família, no qual foi ilibado – teria ficado incomodado com um artigo publicado no “Guardian” sob o título “Habituem-se a uma África do Sul corrupta e caótica mas não a ignorem”. Maputo, Quarta-Feira, 15 de Abril de 2009:: Notícias