17 de junho de 2009

Entre África e Europa : Maputo acolhe encontro sobre cooperação cultural

Entre África e Europa : Maputo acolhe encontro sobre cooperação cultural É lançado hoje, em Maputo, o programa Campus Euro-Africano de Cooperação Cultural. O evento vai decorrer no Centro de Conferências Joaquim Chissano, entre os dias 22 e 26 de Junho e é organizado pela OCPA (Observatório de Políticas Culturais em África), e Interarts. Com este programa pretende-se proporcionar um ponto de encontro, de formação e intercâmbio para os agentes culturais dos continentes Africano e Europeu, bem como criar um espaço de reflexão, transferência de conhecimentos, troca de experiências e discussão de possíveis iniciativas conjuntas no campo de cooperação cultural, no contexto mais lato da contribuição da cultura para o desenvolvimento sustentável. Um comunicado da organização do evento, enviado à nossa Redacção, indica que, as agremiações partilham um objectivo de integração adicional dos elementos culturais nas estratégias de desenvolvimento e promoção da transferência de conhecimentos e práticas no campo de política cultural. O campus conta com a parceria do Ministério da Educação e Cultura, do Conselho Municipal da Cidade de Maputo, e da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID). O evento conta também com o apoio de Africalia, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Agenda 21 da Cultura. Vários temas estão agendados no campus, destacando-se sessões plenárias: cooperação cultural entre África e Europa num mundo globalizado – tendências e desafios; lugar da diversidade cultural na cooperação cultural Euro-Africana; um olhar às estratégias para a cultura e desenvolvimento em África; criatividade e inovação – alcance da cultura; direitos culturais e responsabilidades; migração e contexto Euro-Africano; a governação da cultura. Estão ainda agendados workshops que poderão facilitar a discussão dos temas. E os trabalhos de debate serão realizados sob os seguintes subtemas: cultura e desenvolvimento local; cultura e comunicação social; pesquisa; património tangível e intangível; rede de artes; economia criativa; formação; cultura e educação. A expectativa é que o campus tenha uma participação de cerca 150 delegados de 34 países de África e Europa para um evento cujo público alvo são os artistas, gestores culturais, organizações culturais e redes em África e Europa, formuladores de políticas, organizações e agências de desenvolvimento, universidades e organizações de pesquisa. Dados avançados pela organização indicam que, o Ministro da Educação e Cultura, Aires Aly, vai proceder à abertura do evento. Fazem igualmente parte dos oradores moçambicanos Benigna Zimba e Renato Matusse. Estarão também no painel dos oradores o desenhador de moda franconigeriano Alphadi, a poetisa e actriz sul-africana Lebo Mashile e o director de Cultura do Conselho de Europa, Robert Palmer, bem como mais de 50 oradores procedentes de Moçambique, África e Europa. Complementando o programa académico do campus, cada noite de 21 a 25 de Junho terá lugar em diferentes equipamentos culturais de Maputo uma série de concertos, leituras de poesia, exposições e espectáculos de dança. O Observatório de Políticas Culturais em África (OCPA) é uma organização não-governamental Panafricana independente e com sede em Maputo, que pretende fomentar o desenvolvimento de políticas culturais nacionais na região e sua integração em estratégias de desenvolvimento humano, mediante a promoção do intercâmbio de informação, a investigação, a capacitação e a cooperação tanto a nível regional como internacional. A Interarts é uma agência independente privada com uma missão internacional, com sede em Barcelona, na Espanha. Esta organização tem levado a cabo projectos relacionados com as políticas culturais e a cooperação cultural para organizações tanto públicas como privadas. O campus foi desenhado por Interarts e o Observatório de Políticas Culturais em África (OCPA), no marco de um programa de cooperação cultural iniciado em 2003 que compreende actividades sobre investigação, sensibilização, formação e fomento de redes. Ambas organizações compartilham a vontade de contribuir para a integração de elementos culturais nas estratégias de desenvolvimento e de promover a transferência de conhecimentos e práticas no âmbito das políticas culturais. Maputo, Quarta-Feira, 17 de Junho de 2009:: Notícias