27 de março de 2013

Angola: Policia em Benguela pode ser despejada



Em Benguela, Imóveis de Cidadãos Nacionais e de Portugueses Foram Saqueados e Transformados em Esquadras

As debilidades na gestão orçamental entre o comando geral da polícia nacional e os comandos provinciais poderão provocar o despejo de várias esquadras policiais e de comandantes municipais que residem em residências ocupadas pela polícia nacional depois da independência nacional de forma ilegal.

Na euforia da independência, imóveis de cidadãos nacionais e de portugueses nascidos em Angola foram saqueados e transformados em esquadras, comités de partidos políticos, quartéis e em residências dos respectivos “chefes”.

Com a consolidação paulatina da paz, que tem permitido uma afirmação mais dinâmica dos órgãos de justiça, vários cidadãos têm vindo a recorrer a quem de direito para pressionar a polícia de Benguela no sentido de reaverem os seus imóveis ocupados após a independência de forma ilegal.

Publicamente o Comandante de Benguela, António Maria Sita, revelou que a corporação policial em parceria com o governo provincial está a trabalhar num projecto de construção de novas esquadras e residências para os seus responsáveis nos municípios, onde poderão ocorrer brevemente “despejos” dos seus efectivos.

A esquadra do Bairro 70 que atende uma das zonas mais populosas de Benguela poderá ser a primeira a ser devolvida ao seu proprietário devido a pressão permanente do mesmo junto dos órgãos de justiça.

Dos fundos do OGE afectos anualmente ao comando geral da polícia não são conhecidas rubricas sobre a construção de novas infraestruturas, mesmo com o conhecimento da situação jurídica dos imóveis em vias de serem devolvidos aos seus legítimos proprietários.

Das solicitações financeiras atempadas dos comandos provinciais para fazerem face aos referidos projectos o comando geral da polícia responde apenas com verbas consideradas “apertadas” para despesas correntes deixando os comandos provinciais debaixo de inúmeras dificuldades de gestão.