25 de maio de 2013

Não, não temos um Tiririca!




Foto by MOZ (retirada da Internet)


Não, não temos um Tiririca! (in O JUMENTO)

«Pessoa que provoca o riso ou não pode ser levado a sério.» Dicionário Houaiss

Portugal não tem dinheiro e quem não tem dinheiro não tem vícios, quem tem muito dinheiro é o Brasil e é natural que aquele país tenha vícios, não só tem vícios como se dá ao luxo de ter um Tiririca no parlamento. Nós no parlamento não temos tiriricas, temos juristas, doutores de muitas artes e múltiplos empregos, mas Tiririca não temos, mesmo que algum o tentasse ser não o conseguiria, quem vai achar graça a gente tão séria e circunspecta, ainda por cima em tempos de crise em que rir é quase uma manifestação de subversão, veja-se a forma estranha como o Gaspar reagiu às gargalhadas, como se rir fosse algo tão condenável como mostrar o pirilau em público.

Se no parlamento não conseguimos ter um Tiririca muito menos o teríamos no Palácio de Belém, se no parlamento é tudo entediante imagine-se o Palácio de Belém, por ali se alguém ri à gargalhada arrisca-se a que lhe caia um pedaço, no mínimo, a que se estrague um penteado. É mais fácil encontrar alguém a rir às três da manhã no Museu da senhor Tussaudus, em Nova Iorque, do que ouvir alguém a rir à gargalhada no Palácio de Belém.

Chamar palhaço a Cavaco Silva ou mesmo a Cavaco Silva Presidente da República, que são a mesmas mas pessoa mas duas entidades distintas, é uma ofensa não só a Cavaco ou à instituição presidencial, mas também a todos os palhaços do mundo e, em especial, ao Tiririca, o único político palhaço ou, se quiserem, o único palhaço político. Chamar Palhaço a um político cuja principal característica é ser um eucalipto da alegria, pondo sim a qualquer sorriso à sua volta, é uma ofensa a um Tiririca que faz do riso profissão e razão de viver.

Imagine-se o Tiririca a ganhar duzentos mil euros de uma penada e depois explicar com ar sério e de vítima que não percebe nada dessas coisas de acções escritas em inglês. Só podia ser mesmo uma palhaçada para rir, o Tiririca de inglês só sabe dizer gringo, de acções nem imagina o que é e ninguém está a ver um banqueiros inventado pelo Tiririca. É por estas e por outras que o Tiririca diz estas coisas, para nos divertir.

Imagine-se o Tiririca a dizer que as vacas estavam com ar prazenteiro na fila da ordenha ou que as vacas da Graciosa estava felizes por ver os pastos verdes, ninguém se lembraria de sorrir e diriam logo eu o Tiririca está a ficar tiririca. É esta a diferença entre um palhaço e um presidente, o palhaço diz banalidades e ninguém se ri, um Presidente diz a mesma banalidade e toda a comitiva se ri como se o Presidente tivesse dito algo digno do Kim il-Sung. De um palhaço ninguém espera que ganhe dinheiro com acções ou que tenha amigos banqueiros tão generosos.

Há uma grande diferença entre um palhaço e um presidente e a grande diferença é que talvez seja mais ofensivo chamar presidente a um palhaço do que em muitos países +por esse mundo fora chamar palhaço a um presidente.

O JUMENTO, 25 de Maio de 2013