6 de fevereiro de 2016

Moçambique: Imagens Antigas da Cidade de Lourenço Marques



Explica-me como se eu fosse muito burro



QUE É O BCE?
 
- O BCE é o banco central dos Estados da UE que pertencem à zona euro, como é o caso de Portugal.

E DONDE VEIO O DINHEIRO DO BCE?
 
- O dinheiro do BCE, ou seja o capital social, é dinheiro de nós todos, cidadãos da UE, na proporção da riqueza de cada país. Assim, à Alemanha correspondeu 20% do total. Os 17 países da UE que aderiram ao euro entraram no conjunto com 70% do capital social e os restantes 10 dos 27 Estados da UE contribuíram com 30%.

E É MUITO, ESSE DINHEIRO?
 
- O capital social era 5,8 mil milhões de euros, mas no fim do ano passado foi decidido fazer o 1º aumento de capital desde que há cerca de 12 anos o BCE foi criado, em três fases. No fim de 2010, no fim de 2011 e no fim de 2012 até elevar a 10,6 mil milhões o capital do banco.

Sabedoria africana



Diz o filho negro para o pai negro:

- Pai, porque é que europeu tem cabelo loiro e liso? E não tem assim preto e carapinha?

- Europeu tem cabelo fino, vem nos selva, apanha água da chuva, adoece, constipa e morre... Preto não... Água cai na carapinha mas não entra...

- Pai, porque é que preto tem pele escura e europeu tem pele assim branquinha?

- Europeu vem nos selva, leva com sol e queima. Apanha cancro na pele e morre. Preto não... Escuro absorve raio solar e não faz nada...

- Pai, porque é que preto tem assim cheiro a catinga e europeu não?

- Europeu vem nos selva e aparece leão e ataca europeu. Assim Europeu morre... Preto não... Cheira a catinga e leão não ataca...

- Mas pai, para  que é que a gente quer isso tudo se moramos aqui na Amadora ????!!!


Fonte: Recebido por email

23 de janeiro de 2016

Moçambique: Imagens Antigas da Cidade de Lourenço Marques



Moçambique: Tribunal



O lançamento da primeira pedra para este edifício, dentro do estilo classicizante, ocorreu a 4 de Agosto de 1907, na presença do Príncipe Real Dom Luís Filipe. Ficou concluído em 31 de Maio de 1911, localizando-se no que era a zona central da cidade.
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Mercado Gorjão



Foi inaugurado em Dezembro de 1899, substituindo uma outra construção, tendo recebido o nome de “Mercado Gorjão”. Em Dezembro de 1964 viria a sofrer profundas modificações, tendo-lhe sido então acrescentado um primeiro andar.
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Lisboa: Castelo de S. Jorge

Graffiti nas Ruas de Lisboa

Lisboa: Drogaria e Perfumaria Oriental

Lisboa: Parque das Nações

6 de janeiro de 2016

Moçambique: As Marchas Populares de Lourenço Marques

 
 
 
MARCHA DA MALHANGALENE
 
(1º prémio)
 
(Cantada por Julieta Palhares)
 
 
1ª Estrofe
 
Malhangalene bonita
De graça humilde e modesta
Com teu vestido de chita
Também hás-de entrar na festa.
Se querem saber quem és,
Podes dizer sem vaidade
Que és o bairro mais bairrista
Que és o bairro mais bairrista
Que existe cá na cidade.
 
Refrão
 
Esta marcha vai
Na rua a passar
Na Malhangalene
Toda a gente sai
P’r’à ouvir cantar
Vamos, rapariga,
Que a tua cantiga
É que vai ganhar.
Toda a gente a canta
E a todos encanta
Porque é popular.
 
2ª Estrofe
 
Tanto na rua de baixo
Como na rua de cima
Toda a gente se conhece
E toda a gente se estima
E se alguém te quiser mal
Não tens nada que temer
Tens cá a Rua da Guarda
Tens cá a Rua da Guarda
Que te há-de defender.
 
Refrão
 
Esta marcha vai...

Moçambique: Presidente da República Samora Moisés Machel


 
 
Fonte: Internet

Moçambique: Um País de Sorrisos


 
 
Texto do cartaz: "Terra de boa gente" teriam dito os navegadores que, das praias lusitanas, primeiro aportaram na baía de Inhambane. São quase 2.500 kms de costas douradas pelas areias, emolduradas no verde dos palmares e dos mangais, espelhando-se num mar de coral riscado pelas velas triangulares da faina costeira. A cultura africana, árabe, indiana e a europeia casaram-se aqui num ramalhete de costumes, arquitectura e nas artes de fazer e adornar. A ilha que deu nome, Moçambique, exibe na sua arquitectura impar, classificada pela UNESCO como património da humanidade, esta mescla de culturas e civilizações. Quem fala de Moçambique não pode deixar de sonhar com as praias de Cabo Delgado, além, em Mocímboa da Praia e nas da Baía de Pemba, com as praias de Nampula onde Fernão Veloso, o "Veloso amigo" de Camões, desceu mais depressa que subiu. Os suaves climas do planalto da Zambéxia, a cidade airosa de Quelimane, a pesca nas águas doces do Lago Niassa e na gigantesca albufeira da Cahora Bassa são percursos de tranquilidade e de saudade. Reaberta recentemente e em repovoamento, a reserva de Gorongosa e várias reservas de exploração privada em Manica, Sofala e Tete, oferecem desde já o encontro com a África da fauna selvagem sem os inconvenientes de um turismo de massas. Lista de informações úteis: obtenção de visto de entrada, embaixadas moçambicanas, outros consulados e altos comissariados, telefones, transportes, aluguer de carros, companhias aéreas, moeda, horário habitual de trabalho, bancos, correios, agências de viagens, hotéis, restaurante e diversões, serviços de urgência, telefones úteis em Maputo, telefones úteis em Nampula e na Beira, instituições oficiais de turismo. Moçambique, o espraiar do Índico nesta costa de África, onde o clima é mais suave, os sons mais belos, os sorrisos mais cativantes.
 
Fonte: Internet

20 de dezembro de 2015

Moçambique: Igreja do Sagrado Coração de Jesus do Macúti



Projeto do arquiteto José Bernardino Vareta Ramalhete, denotando influências formais do neo-brutalismo inglês e do “liberty” italiano. Foi inaugurada a 6 de Junho de 1964.

Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Igreja da Manga, ou Igreja da Imaculado Coração de Maria



Localizada no Alto da Manga. Foi inaugurada em 18 de Agosto de 1957.
Teve como arquiteto João Afonso Garizo do Carmo, assumindo uma expressão moderna, dentro da inspiração da arquitetura brasileira da época.


Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Igreja de Nossa Senhora do Rosário



Edificada em estilo neo-gótico, encontra-se localizada onde existiu o primeiro cemitério da Beira.
Foi inaugurada em 1925, tendo sido usadas nas fundações da nave e do altar-mor pedras da Fortaleza de São Caetano de Sofala.
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Hotel Embaixador



Obra do arquiteto Francisco de Castro, viria a ser inaugurado a 14 de Agosto de 1958.
Contava com 115 quartos e 8 suites, todos com casa de banho privativa.


Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Grande Hotel da Beira

 

Foi desenhado em 1946 pelo arquiteto José Luís Porto, enquadrando-se na arquitetura moderna do período entre as duas guerras mundiais.
Foi inaugurado em 16 de Julho de 1955, tendo uma área de 21.000 m2 e 131 quartos.
No decorrer da guerra civil no país (1976-1992), albergou mais de dois mil refugiados.


Fonte: Arquivo Pessoal